quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Uma Breve Visão do Jornalismo Contemporaneo Brasileiro

Em teoria o jornalismo deveria manter a ordem política, livrando-se assim da tirania governamental. Mantendo a população por dentro de todos os fatos e sendo o porta-voz da opinião pública, sendo assim de fato o “quarto poder”.

Vemos que na pratica isso não funciona direito, pois vendo que a imprensa detinha um grande poder perante a população, os governantes começam a manipular o que os jornalistas fazem, tornando-se investidores e muitas vezes até donos de meios de comunicação, claro que eles não podem controlar tudo, mas acabam ocultando muita informação.

O que acabou por manchar a imagem do jornalismo, aquele sonho utópico de imparcialidade estava ficando cada vez mais distante. Auxiliada pela imprensa marrom, com todo o seu sensacionalismo o que deveria ser visto como um exemplo de integridade acaba por ser tachado como uma profissão mesquinha, metida, oportunista e muitas vezes até como manipulador.

Mas agora que estamos entrando em uma nova era do jornalismo, com a tão discutida morte do impresso, quebra do diploma e o crescente investimento na rede, pode ser que alcancemos de novo o respeito pelo jornalismo.

Formação

Na rede há uma grande chance de se conseguir mais imparcialidade em notícias, pois lá há uma grande democracia e liberdade que não é regida por um editor, porem isso é perigoso, muito perigoso, em um lugar em que o jornalista é o seu próprio editor os critérios do que pode ou não ser divulgado fica em uma linha muito fina.

Deve-se treinar e aprimorar a ética e moral de alguém que venha a trabalhar como um comunicólogo, eis talvez o fator mais importante de um diploma jornalístico, pois com ele vem toda uma teoria do que é “certo ou errado”, alguém formado tem idéia do que carrega em suas mãos, muitas vezes pode até não ligar para isso, mas isso independe de diploma. Pois sabe-se que não há nenhuma definição do que seja “certo” mas a partir do momento em que alguém desenvolve um senso critico e possui toda uma carga de conhecimento e responsabilidade ele pensaria duas vezes antes de divulgar qualquer que seja a informação.

Já alguém que não tem o conhecimento que se consegue em um curso superior, que exerce a profissão apenas por ter um bom texto e uma identificação com a área acaba sendo alvo de “corrupção”, seja ela intencional ou não, é alguém alienado, o que por um lado não salva nenhum diplomado, embora se possa confiar mais em alguém que possuía uma formação acadêmica.

E agora, em quem devemos confiar o nosso conhecimento cotidiano? Em pessoas formadas ou não, pessoas criticas ou não, pessoas fáceis de manipular, pessoas que queiram manipular, editorias ou ideologias opostas, iguais ou o que quer que sejam, a nova era do jornalismo esta apenas começando, não se sabe ainda como ela será, se melhor ou pior do que a que vimos nos últimos anos. Eu creio que agora ela migrará para um mundo bem melhor, onde poderemos ver a informação por dois lados de uma maneira rápida e confiável, com apenas poucos cliques.

2 comentários:

Élder de Lima disse...

Somos parte dessa contemporaneidade, por isso, temos que sorver de todas as oportunidades que são colocadas em nossa frente, para não cometermos erros crassos que hoje, lamentavelmente, muitos jornalistas cometem. Guri, o texto é bom.

egofashionistablog disse...

parabens pelo blog,otimus textos ..bem coerentes.